segunda-feira, 30 de novembro de 2009

TANTO FEZ E TANTO FAZ

Não vos preocupeis com a vossa gana
Que transforma em monstros os ideais,
Ou vossas vandalices desumanas.

Tanto fez a permanência tanto fez
Tanto faz a dissidência tanto faz

Descobri o frio, roubai os cobertores,
Ri da fome e dos pálidos horrores,
Da vontade inadiável de viver.

Tanto fez a onipotência, tanto fez]
Tanto faz a onimpotência, tanto faz

Gritai em altos berros vosso mando!
Matai, sacrificai, atordoai...
Voai por cima da miséria humana!
Escarnecei do olhar tristes dos meninos,
Que vêem tudo negro no lá longe.

Tanto fez a sapiência, tanto fez
Tanto faz a ignorância, tanto faz

Que mesmo em ser maior que qualquer homem
Não pairará sobre vós qualquer piedade,
E tanto faz os que comem e os que não comem.

Tanto fez a riqueza tanto fez
Tanto faz a miséria tanto faz

Virá um dia, com júbilo, a certeza
Que vossos braços não serão mais tesos,
Que vossos olhos não verão mais luzes,
Nem mais calor de uma mulher, terás.

Tanto fez a opulência, tanto fez.
Tanto faz a decadência, tanto faz.

Morrerás. Apodrecerás.Desaparecerás.

Um comentário:

PROFESSORA disse...

Gostei. continua escrevendo muito bem. minha é ter noticias tuas.